29 must-have free apps for iPad

After a long time, more than I initially foresaw, I managed to gather a list of my favorite (so far) free iPad apps.

Adobe Photoshop Express;

Advanced English Dictionary and Thesaurus

Brasil 247 – Brazilian newspaper for iPad, two daily editions;

Calculator Pro – scientific calculator;

Convert Units – unit converter;

Currency Convert – currency converter, using Yahoo! Finance quotes;

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa – Portuguese dictionary for iPhone, works well in iPad;

Dictionary.com – English dictionary;

Dropbox – mobile version, syncs with your account;

Echofon – very good Twitter client, especially for those with just one Twitter account;

Evernote – syncs notes, links and pictures with web, computer, and cell. Cannot live without it anymore!

Flipboard – uses your Facebook and Twitter accounts and present them as a magazine;

Guia Prático da Nova Ortografia Michaelis – NOA rules;

Hootsuite – gathers Twitter, Facebook and LinkedIn accounts. The mobile version allows you to manage multiple accounts for free;

HT-12C – financial calculator;

Kindle – Kindle emulator;

iBooks – similar to Kindle, also opens pdf files. My favorite app for this kind of file;

Idea Sketch – very good mind-mapping app;

MobileRSS – for reading Google Reader feeds. Easy to use and pretty effective, even with many feeds (my case);

Na ponta da língua – “trip” dictionary from Reader’s Digest. English, French, German, Italian, and Spanish;

neu.Annotate PDF – reads and annotates pdf files (thanks for reminding me, Thays!)

Paypal – app to access your Paypal account. Downside: you can’t withdraw money (transfer either for your bank account or credit card) within it;

remoteMouse – turns iPad into a virtual trackpad/keyboard. Works with Mac and Windows computers;

Skype

TED – app to access TED videos;

WordPress – app for posting in WordPress. Doesn’t have all the features, and it’s not compatible with all the plug-ins of the web version, but it’s quite effective;

WordWeb – English dictionary;

WorldMate – travel assistant;

Zite – customizable magazine. Really good app.

Have you noticed I didn’t include any Office apps? I haven’t found any “Office-like” app I really enjoy, even among the non-free ones. The “track changes” feature, which is crucial for editing/proofreading, is missing in each and every of them. This means that, at least so far, it’s almost impossible for us translators to let computers behind and work just in iPad. But the apps above already allow me a few hours away from my computer. That’s something, isn’t it?

(Português) Os vírus e nós

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

É sabido, e não nego, que sou paranoica com relação à segurança do computador. Fiquei assim depois de descobrir o trabalho que dá limpar uma rede inteira de computadores infectados por um vírus que mudava de nome a cada tentativa de limpeza. Dias e dias de luta, até conseguir limpar tudo. Isso aconteceu no século passado, mas as sequelas continuam até hoje. A primeira coisa que instalo no computador, depois do sistema operacional, é um antivírus. Mesmo no Mac.

Os sistema operacional dos Macs é mais robusto, sem dúvida, mas não é infalível. Nenhum sistema é. A diferença é a base instalada, muito menor que a de computadores com Windows. Assim, o número de vírus criados diariamente pra Macs ainda é menor. Mas isso está mudando e cada vez mais temos notícias de vírus que atacam Macs. Sejam vírus escritos especificamente para Macs, que geralmente vêm junto com aplicativos piratas baixados dos torrents, sejam “infecções” em Java (que afetam todos os sistemas operacionais) carregados de sites suspeitos.

Por isso, é sempre bom ter um complemento (também chamado de plug-in ou add-on) no navegador para bloquear Java e javascripts dos sites. Além da navegação ficar mais rápida, por não carregar montes de banners e animações geralmente inúteis, aumenta a sua segurança. Uso o NoScript no Firefox.

Quanto ao antivírus, estou usando o Sophos. Ele protege tanto o sistema Mac quanto o Windows, que uso virtualizado com o Parallels. Avisa também se algum site tentar acessar ou instalar o que não deve.

No Windows, Avast e Comodo são boas alternativas. Já tinha mencionado ambos em outro post.

Lembre-se de ativar a atualização automática, sempre, em qualquer antivírus. Porque ele não ajuda muito se estiver desatualizado.

Outra dica importante: NÃO CLIQUE EM LINKS SUSPEITOS. Sim, em maiúsculas e negrito. Você não ganhou na EuroLoto (e lembre-se que também não jogou), não é o milésimo nem o milionésio a acessar o site, os bancos não mandam atualização de cadastro por email (a menos que tenha conversado com seu gerentes antes e, neste caso, muito provavelmente o formulário virá do email do gerente, não de um email genérico), nem o Tribunal Eleitoral nem a Receita Federal precisam dos seus dados para atualização. Tudo isso são iscas para que clique no linkzinho que vem logo depois e que provavelmente vai instalar alguma coisa no seu computador. A velha regra é sempre válida: se parece bom demais pra ser verdade, com certeza não é mesmo.

A internet pode ser um lugar mais ou menos seguro para trabalhar, navegar e fazer compras, depende do comportamento e dos cuidados de cada um.

(Português) Faturas (ou invoices, como queiram)

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

 

Quando se trabalha para empresas, o pagamento só é feito mediante a apresentação de um documento (geralmente uma nota fiscal). No caso de clientes no exterior a nossa NF não tem valor fiscal, então usa-se a fatura (invoice).

Mesmo que trabalhe sozinho, no melhor estilo Eu, Euzinho e Eu Mesmo Ltda., sua fatura deve transmitir profissionalismo. Não precisa ser rebuscada, mas deve ser clara e objetiva.

Uma boa fatura deve indicar:

  • os serviços a que se refere: tradução do livro X, revisão do artigo Y;
  • dados completos, seu e do cliente;
  • instruções para pagamento: conta do Paypal, conta bancária ou endereço para envio do cheque;
  • número de referência (número da fatura): facilita o controle e a localização no arquivo;
  • número da PO do cliente: a maioria das empresas exige a inclusão da PO na fatura;
  • logotipo, se tiver um, também é de bom tom – mas não é indispensável.

Tenho um modelo de fatura, para quem quiser usar como referência. Costumo manter uma planilha dessas para cada cliente, em várias abas, dentro do mesmo arquivo faturas.xlsx (por exemplo). Quando preciso emitir uma fatura é só alterar o número da fatura, o número da PO, o número de palavras, gerar o PDF e enviar por e-mail para o cliente.

No modelo, os valores estão em dólares. Para alterar a moeda, marque as células, clique com o botão direito e selecione Formatar células.

(Português) Networking e os maus pagadores

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Uma utilidade importantíssima do networking é saber quem paga bem, na data combinada, e quem não paga. Mesmo que seja só lendo as listas de discussão, onde o assunto e frequente, é preciso ficar de olho nos alvos das reclamações e fazer uma “lista negra” particular. O nome de Fulano já pipocou duas ou três vezes como mau pagador? Eu é que não vou trabalhar para ele!
Vale também perguntar para os colegas mais próximos, antes de aceitar um projeto de cliente novo, se eles conhecem, se já trabalharam com aquele cliente (seja colega, agência ou cliente direto), se ele paga em dia. Para isso também servem e-mail, MSN, Skype, Twitter.
Portanto, quanto maior a sua rede de contatos, maior a quantidade de informações que pode conseguir, e mais confiáveis elas serão.
Livre-se dos maus clientes. Diga um “Não, obrigado” bem sonoro quando um desses vier oferecer serviço. Quanto mais bem informados formos, como categoria, maior a possibilidade de tirar os maus pagadores do mercado. Ou, pelo menos, da NOSSA vida profissional.