Os vírus e nós

É sabido, e não nego, que sou paranoica com relação à segurança do computador. Fiquei assim depois de descobrir o trabalho que dá limpar uma rede inteira de computadores infectados por um vírus que mudava de nome a cada tentativa de limpeza. Dias e dias de luta, até conseguir limpar tudo. Isso aconteceu no século passado, mas as sequelas continuam até hoje. A primeira coisa que instalo no computador, depois do sistema operacional, é um antivírus. Mesmo no Mac.

Os sistema operacional dos Macs é mais robusto, sem dúvida, mas não é infalível. Nenhum sistema é. A diferença é a base instalada, muito menor que a de computadores com Windows. Assim, o número de vírus criados diariamente pra Macs ainda é menor. Mas isso está mudando e cada vez mais temos notícias de vírus que atacam Macs. Sejam vírus escritos especificamente para Macs, que geralmente vêm junto com aplicativos piratas baixados dos torrents, sejam “infecções” em Java (que afetam todos os sistemas operacionais) carregados de sites suspeitos.

Por isso, é sempre bom ter um complemento (também chamado de plug-in ou add-on) no navegador para bloquear Java e javascripts dos sites. Além da navegação ficar mais rápida, por não carregar montes de banners e animações geralmente inúteis, aumenta a sua segurança. Uso o NoScript no Firefox.

Quanto ao antivírus, estou usando o Sophos. Ele protege tanto o sistema Mac quanto o Windows, que uso virtualizado com o Parallels. Avisa também se algum site tentar acessar ou instalar o que não deve.

No Windows, Avast e Comodo são boas alternativas. Já tinha mencionado ambos em outro post.

Lembre-se de ativar a atualização automática, sempre, em qualquer antivírus. Porque ele não ajuda muito se estiver desatualizado.

Outra dica importante: NÃO CLIQUE EM LINKS SUSPEITOS. Sim, em maiúsculas e negrito. Você não ganhou na EuroLoto (e lembre-se que também não jogou), não é o milésimo nem o milionésio a acessar o site, os bancos não mandam atualização de cadastro por email (a menos que tenha conversado com seu gerentes antes e, neste caso, muito provavelmente o formulário virá do email do gerente, não de um email genérico), nem o Tribunal Eleitoral nem a Receita Federal precisam dos seus dados para atualização. Tudo isso são iscas para que clique no linkzinho que vem logo depois e que provavelmente vai instalar alguma coisa no seu computador. A velha regra é sempre válida: se parece bom demais pra ser verdade, com certeza não é mesmo.

A internet pode ser um lugar mais ou menos seguro para trabalhar, navegar e fazer compras, depende do comportamento e dos cuidados de cada um.

Nuvem, informação e networking

A Carol Alfaro escreveu um post muito interessante sobre networking e presença online, em resposta à convocação do English Experts aos blogs educacionais. A ideia do Alessandro foi excelente e eu assino embaixo do post da Carol. Ela consegue, quando quer, escrever verdadeiros “tratados” sobre um determinado assunto, puxando o fio da meada desde o comecinho, depois desenrolar tudo e finalizar com um lacinho. Definitivamente eu não tenho essa facilidade, então vou só complementar com alguns pontos.

A quantidade de informação que podemos obter via blogs é realmente absurda. Acessar um a um diariamente, procurando atualizações, é tarefa praticamente impossível. Uma maneira mais fácil de acompanhar vários blogs ao mesmo tempo é usar um reader, que concentra todos os blogs em um só lugar. Eu uso o Google Reader, pela facilidade de ser online, não precisar instalar nada e eu poder ler em qualquer computador ou pelo celular. A maioria dos navegadores e clientes de email também tem recurso semelhante. Procure por “rss feed”.

A presença online é indispensável hoje em dia. Mas, para ser um retorno positivo, é preciso prestar muita atenção à sua postura online. Escrevi brevemente sobre isso há alguns meses.

Resumindo: o mundo está mudando muito rapidamente, somos bombardeados com informações vindas de todos os lados, sobre todo tipo de assunto. Isso é excepcional, mas precisamos aprender a filtrar essas informações para não sermos soterrados por elas.

Outro ponto importantíssimo: o mundo virtual nada mais é que uma extensão do chamado mundo real, uma outra forma de convivência entre pessoas reais, de carne e osso. A internet não é um universo paralelo como os das histórias de ficção científica, com “leis universais” diferentes ou opostas às do nosso universo. Por trás de cada avatar existe uma pessoa de carne e osso. As regras de comportamento, educação e boa convivência que aprendemos na infância, que nossos pais e avós insistiam que seguíssemos à risca, também valem na internet. Principalmente se você quiser fazer dela seu local de trabalho.

Yoono

Com o fim do uso gratuito do Hootsuite (acima de um limite de contas), precisei procurar um novo cliente de Twitter para Mac que também concentrasse Facebook e Linkedin. Prefiro acessar esses dois sites sociais por um cliente, assim não perco muito tempo “passeando”.

Depois de testar vários, acabei ficando com o Yoono. Menos badalado que o Seesmic e o TweetDeck, ele tem uma melhor separação visual das várias contas, mais ou menos no mesmo estilo do Hootsuite – apesar de não ser semelhante, o que é uma pena. Gostava muito do visual do Hootsuite.

São três opções de uso: como add-on do navegador (Firefox e Chrome), aplicativo (para Mac, Windows e Linux) e móvel (iPhone). Estou usando o aplicativo para Mac.

O suporte também parece ser eficiente, responderam logo aos meus comentários no twitter e me ajudaram a encontrar alguns recursos que eu não estava localizando.

Google Fast Flip

Acabei de ver uma novidade (ou pelo menos acho que é novidade, não tinha visto ainda) da família Google: o Google Fast Flip, que permite ler jornais e revistas  (não muitos, por enquanto) em inglês.

Espero que com o tempo aumente o número de publicações, porque achei prático estar tudo concentrado em um só lugar.

Para quem quiser conferir: Google Fast Flip

2ª Conferência Virtual do Proz

Acabou de chegar email avisando sobre a segunda Conferência Virtual do Proz. Participei da primeira, foi extremamente proveitosa. Um dia inteiro de palestras e chats com colegas de todo o mundo. De casa, em qualquer lugar do mundo, e grátis.

Serão três conferências, separadas por público-alvo:

  • 30 de setembro, para tradutores
  • 13 de outubro, para agências
  • 10 de novembro, para consumidores

O evento para tradutores tratará de temas como tarifas, gerenciamento de projetos, expectativas dos clientes, qualidade, especialização e tradução automática.

O site da Conferência traz todas as informações.

Nos encontramos lá!