memoQ e Parallels

Para trabalhar com programas Windows no Mac (basicamente as ferramentas do dia-a-dia tradutório) uso o Parallels Desktop para criar uma “máquina virtual” no Mac, como se fosse um computador com Windows dentro do meu computador.

O Parallels permite usar as pastas do Mac como se fossem unidades de rede dentro do Windows, então eu não preciso ficar copiando arquivos para lá e para cá. De modo geral funciona muito bem, mas esta semana descobri um ponto negativo: aparentemente, essa estrutura de arquivos estava “confundindo” o memoQ na hora de exportar arquivos .ttx.

Por algum motivo, o problema só acontecia com arquivos .ttx. Os .doc e .ppt, que são os que mais traduzo, sempre exportaram sem problemas.

Depois de uma troca de mensagens com o suporte técnico da Kilgray sobre o problema dos arquivos .ttx, inclusive estudando a possibilidade de ser um problema com o Dropbox, a lampadinha da ideia se acendeu. Configurei o memoQ para trabalhar só dentro da unidade local (c:\), copiei todos os arquivos do projeto para lá e voilà! Tudo funciona e exporta direitinho.

Então, fica a dica: se você trabalha com o memoQ no Mac com o Parallels, experimente manter todos os arquivos do projeto e do memoQ (memórias, glossários, recursos) na unidade local.