(Português) A tecnologia vai acabar com o Tradutor? – Abrates 2015

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Minha segunda palestra no congresso da Abrates deste ano foi sobre a postura do tradutor com relação à tecnologia. Muitos a veem como inimiga, mas eu prefiro considerá-la uma aliada poderosa.

Sugiro que abram as notas dos slides para que as imagens não sejam interpretadas fora do contexto da apresentação. É só clicar na engrenagem logo abaixo da apresentação e depois em “Open speaker notes”. Aparecerá uma nova janela mais ou menos com esta cara (use o painel à esquerda para navegar pelas notas):

Screenshot 2015-06-11 16.02.00

Links para sites mencionados na apresentação:

Uwe Muegge

ProMT

Systran

memoQ

Google Translate

Google Translate Toolkit

TO3000

Integrating Trados Studio with GT and MyMemory

Received today by email:

Translated has released an SDL Trados Studio plugin which lets you integrate seamlessly translation memories from MyMemory (http://mymemory.translated.net) and machine translation from Google and Microsoft.
The plugin is 100% free and can be downloaded from the following URLs:

Studio 2009: http://bit.ly/MM-SDL2009

Studio 2011: http://bit.ly/MM-SDL2011

If you like the plugin, please don’t forget to rate it and review it on the SDL OpenExchange page!
(…)

Best regards,
Alessandro Cattelan
Vendor Manager
http://www.translated.net

Which tool is the best?

I’ve heard this question several times: “Which CAT tool is the best?”

Although I’ve been using only memoQ for over one year now, I believe the best tool (in general, not just for translation) is the one that better fits both you and the occasion. You don’t use (or should not use) a screwdriver as a hammer. Likewise, every file format requires a proper tool.

Before using memoQ I used Wordfast for quite a while, and it served me perfectly well. I just migrated to memoQ when I started to receive projects in formats other than .doc, which Wordfast handles well. It’s also ok with .xls spreadsheets and .ppt presentations, but it’s not unusual for Wordfast to get confused with these files, and then you’ll have a problem.

memoQ, on the other hand, handles well many file formats. Therefore, it was essential for me to change my translation tool if I wanted to keep translating those different file formats. No regrets whatsoever so far, since I currently receive really few .doc files.

If you work only with .doc files, Wordfast is the cheaper and most logical option. And will serve you very well.

Another thing to consider is the learning curve. The best tool for you is the one you feel confortable with. You know its shortcuts, commands and features; it improves your productivity. CAT tools aren’t that difficult to figure out, but I know some colleagues who struggle with them, especially their shortcuts. My hint for the first days with a new tool: print a shortcut list (program Help section usually has it) and leave it beside the keyboard. It helps a lot!

In short: there is no such a thing as ONE better tool. There’s a better tool for you to use in that particular project. You should be familiar with more than one tool. A few tricks to convert files among them are also a handy resource in a translator’s toolbox. That way you can cover more job possibilities on a daily basis.

(Português) Como traduzir arquivos .ttx no memoQ

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Quando um cliente envia um arquivo .ttx, espera que seja traduzido no TagEditor. Mas, como uso o TE apenas em último caso, traduzo tudo no memoQ. Acho melhor e mais prático, com controle muito melhor da terminologia.

Infelizmente, o método que uso não dispensa o Workbench e o TagEditor nas fases de preparação e finalização.

1. Se o cliente enviou a memória no formato .tmw, abra-a no Trados Workbench (File/Open) e exporte no formato .tmx 1.1 (File/Export).

2. Pré-traduza os arquivos enviados pelo cliente. No Trados Workbench, selecione Tools/Translate/Add, selecione os arquivos que quer pré-traduzir, confirme se as opções correspondem às da figura abaixo e clique em Translate.Pretranslate no workbench

Uma observação importante: se a caixa “Segment unknown sentences” não estiver marcada, o Trados não vai segmentar o arquivo inteiro. A opção precisa estar marcada para ocorrer a segmentação completa. [Valeu pelo toque, Danilo!]

3. Adicione os arquivos pré-traduzidos normalmente no projeto do memoQ.

4. Se o cliente enviou a memória, você pode usar a opção Import from TMX/CSV, no módulo de recursos ou na aba Translation Memories, para incorporar a memória do cliente (que você transformou em .tmx no passo 1 acima) à memória do projeto.

5. Traduza o arquivo normalmente no memoQ.

6. Exporte o arquivo bilíngue, usando a opção Export bilingual/Two-column RTF da aba Translations.

7. Abra o arquivo no Word e passe o corretor ortográfico/gramatical. Salve as alterações.

8. Reimporte o arquivo corrigido no memoQ, usando o comando Import/update bilingual da aba Translations.

9. Confirme os segmentos alterados: selecione no menu Operations/Confirm and Update Rows, marque a opção Edited e clique em OK. Todos os segmentos alterados serão incorporados à memória do projeto.

10. Agora, veja se não esqueceu nenhuma tag. Se isso acontecer o arquivo pode não abrir corretamente no TagEditor ou dar problema na exportação final. No menu, selecione Operations/Resolve Erros and Warnings. Corrija o que precisar, confirmando cada segmento corrigido.

11. Só falta exportar o arquivo. Na aba Translations, selecione Export (dialog) e especifique o local de destino do arquivo. O resultado é um arquivo .ttx bilíngue, exatamente como se tivesse sido traduzido no TagEditor.

12. Prontinho. Por via das dúvidas, abra o arquivo no TagEditor para confirmar que não deu nenhum problema. É raro, mas pode acontecer.

Observação importante: para que o arquivo final seja bilíngue é indispensável a pré-tradução no Workbench (passo 2). Caso contrário, o resultado será um arquivo apenas em português (ou qualquer que seja sua língua-destino).

(Português) Treinamento em ferramentas de tradução com vídeo online

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Pausa na série de posts sobre o GoldenDict para uma notícia extraordinária: os vídeos com tutoriais para várias ferramentas de tradução do Translators Training agora são gratuitos. Trazem os fundamentos básico de cada ferramenta e são uma boa pedida para quem não conhece nada.

No momento, as ferramentas abordadas nos vídeos são:

  • Across
  • Anymem
  • CafeTran
  • Déjà-vu
  • Heartsome
  • Lingotek
  • memoQ
  • MetaTexis
  • MultiTrans
  • OmegaT
  • Alchemy Publisher
  • SDLX
  • Similis
  • Swordfish
  • Trados 2007
  • Transit
  • Wordfast

Os vídeos têm no máximo 10 minutos de duração. Algumas das ferramentas são explicadas com mais detalhes, em dois ou três vídeos.

Vale o clique.