(Português) O que é essencial em um tradutor?

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Sempre ouço a pergunta: o que é preciso para ser tradutor? Resolvi listar algumas habilidades que considero básicas para quem quer sobreviver e crescer no mercado de tradução.

  • * Apesar de precisar de um bom vocabulário, tradutor não é dicionário. Não precisa conhecer todas as palavras do inglês (ou qualquer que seja sua língua de trabalho) nem do português (ou sua língua nativa). Precisa, sim, saber onde encontrar a informação de que precisa.
  • * Não precisa ser especialista no assunto, mas precisa entender o texto original. Principalmente no começo da carreira, os tradutores não são especialistas em uma nenhuma área. Mas pense bem: se o original não faz sentido para você, como sua tradução pode fazer sentido? Quem não entende o original não consegue traduzir direito. Ponto.
  • * Consequência do anterior: a tradução PRECISA fazer sentido para o público-alvo. A terminologia precisa estar o mais correta possível, ou o usuário final da tradução com certeza vai estranhar. E isso não é bom.
  • * Tradutor precisa saber pesquisar. E gostar de pesquisar. Porque, em última análise, é o que mais fazemos o tempo todo. Se não gostar de pesquisar, aconselho procurar outra profissão.
  • * Apesar de ter uma profissão solitária, o tradutor precisa de contatos. E os melhores contatos para futuros trabalhos são os colegas. Portanto, o tradutor precisa saber se comportar nas diversas redes sociais. Caso contrário, pode estar se queimando no mercado sem nem perceber.
  • * Dizem que a tradução é uma arte. Em alguns casos eu concordo, mas tradutor não é artista, é prestador de serviços. Tradutor tem que ser empresário. Tem que consultar o crédito do cliente novo na praça antes de começar um projeto e saber como cobrar caso não seja pago no dia combinado.
  • * Conhecer as ferramentas de tradução. CAT, programas auxiliares, mecanismos de pesquisa na internet. Saber usar muito bem o Word. Os tempos da tradução manuscrita ou datilografada acabaram no século passado, e quem não se atualizar certamente vai ser excluído do mercado, cedo ou tarde (mais cedo do que tarde, acho eu).

É muito provável que eu esteja esquecendo de alguma característica básica e essencial para ser tradutor. Se eu lembrar de mais alguma, incluo depois. Se você souber de mais alguma, por favor me conte.

(Português) Você não precisa se certificar o tempo todo

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Há alguns dias o colega João Vicente de Paulo começou no twitter uma discussão sobre a tradução de “make sure“, em inglês, sempre como “certifique-se de“.

A rigor, não está errado. O problema é traduzir sempre da mesma maneira, no piloto automático. O texto acaba pesado, não se parecendo com o português que nós usaríamos no dia a dia.

Esta semana, comentei no twitter que consegui traduzir um manual de 37 páginas sem usar o “certifique-se de” nenhuma vez, e me perguntaram quais soluções eu usei.

Então, vamos lá. Antes de mais nada, vale a pena copiar o verbete do Vocabulando:

make sure, be sure

cuidar, certificar-se, exigir, garantir, lembrar-se, procurar, providenciar, tratar de, ter em mente, ter certeza, não se esquecer, não deixar, fazer questão de, tomar cuidado, prestar atenção

* Be sure to perform three repetitions. > Cuidado / Atenção: Repita o exercício três vezes.

* Be sure to lock the door. > Lembre-se, preste atenção, tome cuidado, não deixe de, não se esqueça de fechar a porta.

* I’ll make sure of it. > Vou cuidar, providenciar, tratar disso. / Não vou esquecer.

* Make sure the shop gives you a receipt. > Exija, faça questão do recibo.

* Make sure you understand the rules. > Procure, faça questão de compreender bem as regras.

No caso dos manuais de instruções, também podem ser usadas outras opções. Usando um exemplo tirado da minha memória de tradução:

Make sure the terminals are properly tightened.

Verifique se os terminais estão corretamente/devidamente apertados.
Confirme se os terminais estão apertados corretamente.
Os terminais devem estar apertados corretamente.

Não vou dizer que “Certifique-se de que os terminais estejam corretamente apertados” está errado. Não está, de maneira nenhuma. Não façamos com o “certifique-se” o que andaram fazendo com o gerúndio, perseguir de tal forma que, mesmo estando correto, as pessoas ficam com medo de usar.
A ideia, aqui, é ter outras opções, para que o texto flua bem, sem cara de tradutorês.

(Português) Mesa-redonda sobre tradução – Prêmio União Latina 2010

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Se você, como eu, não conseguiu ir até a Bienal do Livro para assistir à mesa-redonda do Prêmio União Latina de Tradução Especializada, eis sua chance.

A União Latina colocou no YouTube a mesa-redonda dividida em seis vídeos, que eu reuni em uma lista de reprodução.

Participaram da mesa: Denise Bottmann, Ivone Benedetti, Francis Henrik Aubert, Maurício Santana Dias e Adauri Brezolin.


(Português) Como mudar o idioma da memória de tradução

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Ontem passei por um aperto: precisava usar uma memória do memoQ no TagEditor, mas o Trados não importava a minha memória .tmx. Percebi, depois de quase arrancar os cabelos, que o problema era a configuração dos idiomas da memória: no memoQ eu usei EN>PT-BR, mas o Trados não aceita somente EN, precisa especificar o país (EN-US ou EN-GB, por exemplo). E agora, José?

Converti o tmx para txt no Olifant e mandei o Word trocar EN para EN-US, depois reconverti para tmx no próprio Olifant. E fiquei muito, mas muito aliviada mesmo quando o Trados importou a memória.

Depois, conversando com a Pricila Franz, ficamos matutando se haveria uma maneira mais automática, e portanto menos propensa a erro humano. A Pricila lembrou, então, do Xbench. Ela testou, funcionou, postou as instruções no blog. Hoje testei com a mesma memória problemática, também funcionou.

Interessante que o memoQ importa a memória normalmente, nesses casos. Todas as memórias EN-US>PT-BR do Trados que recebo importam normalmente no memoQ, EN>PT-BR.

Então, ficam as dicas:

  1. Sempre preste atenção aos idiomas das memórias. O memoQ importa a memória caso não sejam exatamente coincidentes, mas o Trados não.
  2. Se precisar alterar o idioma, tem duas opções:
  • Alterar manualmente com Olifant e Word, ou
  • Alterar automaticamente com o Xbench.

Pessoalmente, gostei mais da segunda opção. Todo procedimento manual leva consigo o risco de fazermos alguma meleca com a memória. Melhor evitar, certo?

Os links para os programas estão na seção de Links.