Vou usar o plugin do GT no memoQ e o cliente nem vai saber…

Lamento acabar com sua ilusão, mas o cliente tem como saber, sim. Acabei de perceber isso revisando um projeto no servidor. No meu caso não tem problema nenhum, mas alguns clientes proíbem (em contrato, inclusive) que o tradutor use o Google Tradutor nos projetos.

Na aba “Review” do painel de visualização (uso o memoQ 2013 R2) aparece a origem de cada segmento. Se ele veio da TM secundária do projeto (no caso, uma TM local minha), pode aparecer algo assim:

Screenshot 2014-03-12 17.07.09

Se o segmento vier do plugin do GT, aparece:

Screenshot 2014-03-12 17.02.46

Portanto, olho vivo quando trabalhar em servidor! Não sei se a TM exportada leva essa informação, mas não me surpreenderia.

Como configurar a segmentação por parágrafos no memoQ

Outro dia um colega perguntou como configurar o memoQ para importar um arquivo segmentando o texto por parágrafos, não por frases. Eu nunca precisei fazer isso, então não fazia ideia.

Fui fuçar e acabei descobrindo que é mais fácil do que eu pensava: basta criar uma nova regra de segmentação sem regra nenhuma!

Primeiro, clone a regra de segmentação padrão para o idioma original do texto (no meu caso, English – United States). Isso pode ser feito de duas formas:

1) Pelo Resource Console

Screen Shot 2013-03-22 at 9.40.27 AM

2) Com um projeto aberto, pelo painel à esquerda, em Settings > Segmentation rules (segundo ícone à esquerda)

Screen Shot 2013-03-22 at 9.35.59 AM

Clique em Clone/use new, dê um novo nome à regra e clique em OK.

Screen Shot 2013-03-22 at 9.36.45 AM

Depois, selecione a nova regra e clique em Edit.

Screen Shot 2013-03-22 at 9.37.56 AM

Apague todos os parâmetros do quadro Rules, depois clique em OK.

Screen Shot 2013-03-22 at 9.37.30 AM

Quando quiser segmentar um texto por parágrafo, selecione esta regra antes de importar o documento para o projeto.

Como configurar o nome e caminho do arquivo exportado pelo memoQ

Muitos clientes pedem para não alterarmos o nome do arquivo, e o memoQ acaba fazendo isso por padrão. Para alterar:

Clique em Tools > Options > Default resources > Export path rules. Vai ter uma “File rule” e uma “Folder rule”.

Clique em cada uma delas e depois em Edit. O memoQ vai dizer que não pode alterar uma regra padrão e sugerir cloná-la. Faça isso e dê o nome que preferir.

Depois, clique em Edit e altere o que estiver no campo superior.

Para arquivo: <OrigPathAbs>\<TrgLangIso2>\<OrigFileNameExt>

Para pasta: <BasePathAbs>\<TrgLangIso2>\<RelativePath>\<OrigFileNameExt>

Essas regras serão o padrão para novos projetos. Se quiser adotá-las nos projetos atuais, abra o projeto, clique em Settings (no painel lateral), Export path rules (o último ícone da direita) e marque as regras que acabou de criar.

Depois disso, todos os arquivos serão exportados para uma pasta “pt-br” (ou o idioma de destino do projeto) que vai ser criada dentro da pasta onde está o arquivo original. Os arquivos exportados terão exatamente o mesmo nome e extensão do original, sem aquele “por-br” no final.

Arquivo unclean do Trados no memoQ. Pode? Pode!

Pergunta do Élcio:

Bom dia,
Estou começando a usar o trados e o memoq 5. Recebi um teste para entregá-lo em formato rtf e unclean.
O formato unclean é o mesmo quando salvo a tradução em rtf pelo trados 2007?
Tentei fazer o que você escreveu no blog, mas tou usando o memoq versão 5 e não tem como desmarcar a opção simple formatting.
Grato pela ajuda,

Élcio

Élcio, se a opção “Simple formatting” fica inativa na janela de exportação, muito provavelmente o arquivo original tem extensão .docx. Experimente salvar o original como .doc, reimportar no memoQ e usar o “Pre-translate” para traduzir tudo novamente. Não sei porque existe essa restrição, na verdade, mas já me deparei com ela algumas vezes.

O formato unclean gerado pelo memoQ é exatamente igual ao do Trados ou Wordfast. O cliente não tem como saber em qual das ferramentas o arquivo foi traduzido.

Será que isso resolve o seu problema?