A tecnologia vai acabar com o Tradutor? – Abrates 2015

Minha segunda palestra no congresso da Abrates deste ano foi sobre a postura do tradutor com relação à tecnologia. Muitos a veem como inimiga, mas eu prefiro considerá-la uma aliada poderosa.

Sugiro que abram as notas dos slides para que as imagens não sejam interpretadas fora do contexto da apresentação. É só clicar na engrenagem logo abaixo da apresentação e depois em “Open speaker notes”. Aparecerá uma nova janela mais ou menos com esta cara (use o painel à esquerda para navegar pelas notas):

Screenshot 2015-06-11 16.02.00

Links para sites mencionados na apresentação:

Uwe Muegge

ProMT

Systran

memoQ

Google Translate

Google Translate Toolkit

TO3000

Falsos cognatos e decalques na tradução médica – Abrates 2015

Os slides da minha apresentação no congresso da Abrates sobre decalques e falsos cognatos na tradução médica, em parceria com a Ju Samel, está logo aí embaixo.
Como prometido, as traduções e explicações dos termos estão nas notas. Para ver, clique na engrenagem logo abaixo da apresentação e depois em “Open speaker notes”. Aparecerá uma nova janela mais ou menos com esta cara (use o painel à esquerda para navegar pelas notas):

Screenshot 2015-06-11 15.33.28

A íntegra da resolução 196 do Conselho Nacional de Saúde, que eu mencionei várias vezes, está aqui (no formato PDF).

Quimiquês for dummies no Tradusa

Conforme prometido, aqui estão os links para as fontes de bibliografia para estudo de nomenclatura química que mencionei na palestra do Tradusa:

Guia IUPAC para a Nomenclatura de Compostos Orgânicos. Tradução Portuguesa nas Variantes Europeia e Brasileira, Lidel, 2002 (ISBN 972-757-150-6) – apenas versão impressa

Sociedade Brasileira de Química – publicações e artigos em PT-BR

IUPAC – bibliografia para nomenclatura oficial em inglês

Recomendações da IUPAC para a nomenclatura de moléculas orgânicas – artigo de José Augusto R. Rodrigues na Revista Química Nova na Escola

Nomenclatura da IUPAC – Wikipedia

Catálogo da Abiquifi (Associação Brasileira da Indústria Farmacêutica e de Insumos Farmacêuticos)

Translation Journal – série de artigos de Chester E. Claff, Jr. sobre nomenclatura de compostos orgânicos

A internet como fonte de informação bibliográfica em química – artigo de Anderson Rouge dos Santos, Caio Lima Firme e José Celestino Barros para a Revista Química Nova (PDF)

Nomenclatura de compostos orgânicos segundo as recomendações da IUPAC – artigo de José Augusto R. Rodrigues, do Instituto de Química da Unicamp

Nomenclatura de compostos orgânicos

Nomenclatura de compostos de coordenação: uma proposta simplificada – Artigo de Ana M. da C. Ferreira e Henrique E. Toma na Revista Química Nova (PDF)

Quimiquês for Dummies – Tradusa

O que o cliente quer de você

Um dos meus clientes recentemente mandou estas dicas, e acho que elas podem ser úteis para mais gente (e venho falando coisa parecida há tempos aqui, no Facebook e no finado Orkut), então resolvi postar. O cliente autorizou a reprodução (a pedido dele, fiz ligeiras alterações para ocultar o nome da empresa e outros detalhes que poderiam identificá-la).

  • Seja sincero. Na dúvida, recuse.
    Se não tiver certeza se consegue cumprir um prazo ou assumir o projeto, seja sincero e diga “Não” ou peça mais tempo antes de aceitá-lo. Pedir mais prazo depois do início do projeto causará muitos problemas.
  • Se não enviarmos uma confirmação clara por escrito, um número de projeto e uma ordem de serviço, NÃO comece a trabalhar.
    As POs (ordens de serviço) incluem todos os detalhes do projeto, como cronograma, custo acordado, lista de arquivos a traduzir e instruções. O tradutor pode faturar apenas o valor incluído nesse formulário, então leia a PO e confirme todos os detalhes ali indicados antes de começar a trabalhar no projeto.
  • Não tenha medo de perguntar!
    Ficamos sempre felizes em ajudar como pudermos, e você deve sempre esclarecer qualquer dúvida que tiver. Se não soubermos responder, perguntaremos para o cliente.
  • As instruções devem ser sempre seguidas.
    Sempre analisamos em detalhes as exigências do cliente antes de começarmos qualquer projeto e preparamos uma lista de instruções para nossos tradutores. Essas instruções são incluídas no e-mail de confirmação, juntamente com a documentação para o projeto, para ajudá-lo durante o processo de tradução. É essencial segui-las. Caso contrário, podemos precisar pedir que refaça o trabalho.
  • A documentação de referência sempre deve ser usada.
    Sempre tentamos conseguir o máximo de documentação de referência, definições e informações de contexto com nossos clientes. É essencial que o tradutor leia e entenda esse material antes de terminar a tradução. Isso também diminui o tempo de finalização.
  • Verifique antes de entregar!
    Sempre verifique seu trabalho com muito cuidado antes de entregá-lo. Devolveremos qualquer trabalho que tenha problema. Isso inclui rodar um corretor ortográfico automático (e também manual) antes de entregar qualquer trabalho. Traduções com erros ortográficos são inaceitáveis.
  • Se a qualidade da tradução que você precisa revisar está ruim, avise-nos antes de começar.
    Sempre exemplifique os problemas. Nós os analisaremos e decidiremos o que fazer. Lembre-se que você não pode nos cobrar mais pelo trabalho extra a menos que aprovemos o custo adicional antes de você começar.
  • Melhore, se puder!
    Revisão, para nós, significa mais que corrigir erros puramente linguísticos. Inclui também todos os aspectos de uma tradução. Esperamos que você verifique exatidão, ortografia, gramática, estilo, uniformidade, formatação, terminologia, adequação ao público-alvo, etc. Verificar significa não apenas identificar os erros ou aspectos que podem ser melhorados, mas também corrigi-los diretamente na tradução para produzir um texto finalizado. Se houver algo que você consegue traduzir melhor, altere.
  • Marque suas alterações e dê feedback.
    É sempre bom sabermos o que nossos revisores alteraram nas traduções. Assim, quando revisar uma tradução no Word, use a função de controle de alterações (“Track changes“) e, quando trabalhar no Excel, destaque a célula alterada com uma cor de fundo diferente (não é necessário marcar cada palavra, a menos que peçamos).
    Se precisarmos de comentários detalhados com relação às alterações, pediremos e diremos onde inseri-las.
    Evite sempre usar o “strikethrough“, porque é trabalhoso finalizar o texto (assim como usar o recurso).
    Sempre estimulamos nossos revisores a enviar um feedback sobre as traduções. Não tenha medo de dar sua opinião!
  • Se uma alteração não melhorar a tradução, não mexa!
    Seja crítico ao finalizar uma tradução depois da revisão do cliente final. Sempre verifique se as alterações solicitadas estão corretas ou melhoram a tradução antes de aplicá-las. Se não forem, não implemente a alteração e explique o motivo.

Meus complementos:

  • Não tenha medo de perguntar, mas pense antes. Os clientes gostam quando tiramos dúvidas, isso demonstra que estamos prestando atenção ao projeto, mas dúvidas bobas ou descabidas demais podem demonstrar que você não conhece o assunto ou não sabe o que está fazendo, e isso pode ser um tiro no pé.
  • Na hora do feedback, tente ser o mais profissional e objetivo possível. Atenha-se aos fatos e fundamente sempre que possível com links ou transcrições de gramáticas, dicionários ou outras referências.
  • Melhore o texto, se puder, mas não troque seis por meia dúzia para mostrar serviço. Às vezes a tradução está mesmo muito boa. Nesse caso, elogie o tradutor. ;-)

Pavlov e a concentração

Já ouviu falar de Pavlov? Costumo dizer que a minha concentração é pavloviana. Muitas vezes, ela só dá as caras com um determinado conjunto de estímulos.

Ao longo do tempo, descobri que o ambiente ideal pra concentração se “manifestar”, quando anda meio ausente, é música new age nos fones de ouvido mais pomodoro (ou, como é carinhosamente chamado, “tomatada”). Talvez por ter usado essa dupla por muito tempo para trabalhar em dias de boa concentração, hoje ela “chama” a concentração passeadeira.

Então, fica a dica: se uma técnica ou um determinado ambiente funciona bem para você trabalhar, use-o sempre e condicione seu cérebro. Assim, quando precisar… Pavlov nele!

 

PS: Se precisar de uma trilha sonora para trabalhar, tenho algumas playlists no Grooveshark (new age, Yes, Jean Michel Jarre) (para mim, ajuda se a música for só instrumental). O Spotify também tem playlists para todos os gostos.